expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Translate

domingo, 5 de maio de 2013

Cobra-coral

Cobra-coral

Nome científico: As cobras-corais verdadeiras pertencem ao gênero Micrurus.

Ocorrência: Sul da África, Ásia, América-do-sul e Central.


    Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Habitat: Prefere ambientes escuros, tendo hábitos noturnos, raramente saindo durante o dia. Vive sob folhas, galhos e pedras.

Características: É um réptil de até 80 centímetros, com anéis coloridos em todo o corpo. Uma das maneiras de distinguir a coral-falsa da verdadeira é observar seus anéis. Os anéis da coral verdadeira circundam seu corpo inteiro, enquanto que na coral-falsa eles se dispõem apenas no dorso e alto ventre. Acontecem poucos acidentes com essa cobra porque suas presas inoculadoras de veneno se localizam no fundo de sua boca e ela precisa ficar grudada no local até conseguir inocular sua peçonha. Uma das características marcantes nessas serpentes é o fato de ela manter a cauda levantada para confundir seus predadores, pois, causa a impressão de que possui duas cabeças. Isso pode ser observado na foto acima.

Ação do veneno: Seu veneno é tão tóxico quanto o da naja. Tem ação neurotóxica. Atinge o sistema nervoso central, causando dormência, problemas respiratórios e caimento das pálpebras. É, das serpentes brasileiras a que tem veneno mais forte. Se não for socorrido rápido, pode levar ao óbito em até 3 horas.


    Foto: Evandro Carlos Ferreira dos Santos


Hábitos sociais: Vivem solitárias, encontrando-se apenas para casalamento.

Hábitos alimentares: Se alimentam de pequenos lagartos, insetos e roedores.

Reprodução: Põem de 3 a 18 ovos debaixo de folhas velhas em local ensolarado. Os ovos eclodem em cerca de 90 dias e os filhotes já são autônomos. A fêmea armazena esperma, de forma que pode fazer várias posturas antes de um novo acasalamento.

Predadores: Aves de rapina e algumas serpentes não-venenosas.

Status ecológico: Sem risco de extinção.

Importante: Todos os animais fotografados não sofreram maus tratos e estão em plena liberdade na natureza.

Ao andar pelas matas nunca mate esses animais, caso venha a encontrá-los, afinal eles estão em seu ambiente natural. Evite o contato e deixe-os seguir seu caminho, pois, cada ser tem um papel importante na natureza. 
Um grande abraço!

Nenhum comentário:

Postar um comentário